The Flash Brasil - Anúncio
Review por Lucas de Oliveira

Crazy for You (1×12) Nota: 8,0

  • TRAMA

Um detento escapa da prisão de forma inexplicável. Barry é designado para o caso e descobre que Clay Parker foi solto por Shawna Baez, “carinhosamente” apelidada de “Ka-Bum” por Caitlin. Baez é uma meta-humana com poderes de teletransporte, e no momento em que ela usa esses poderes para cometer roubos junto de seu amante, Flash tem a obrigação de impedi-los. Enquanto isso, Cisco tenta descobrir o que realmente aconteceu com Ronnie na noite da explosão.

  • VILÃ

Peek-a-Boo, “Ka-Bum” no Brasil, é mais uma antagonista da série criada por Geoff Johns, que para falar a verdade eu não havia escutado falar dela até assistir ao episódio, entretanto o que foi apresentado para mim foi satisfatório. Não conhecer a personagem me colocou em uma posição interessante para criticar, pois pela primeira vez eu não tinha uma concepção prévia sobre o vilão da semana, consegui me colocar na pele do espectador geral, que está conhecendo esse mundo pela primeira vez, e posso dizer que me interessei. A ideia de teletransporte foi bem utilizada, e mesmo sendo algo já saciado no mundo pop, consegue prender a atenção de quem assiste, porque alguém que consegue se mover de um local para outro em um piscar de olhos se encaixa perfeitamente como opositor de um velocista, mas, tristemente, o episódio não foi focado nela, o que acabou não dando muito espaço para Britne Oldford mostrar sua atuação, nem para a personagem se tornar significante. Não conseguimos nem ver um pouco do passado de Shawna. A caracterização é apenas uma roupa comum, não tem muito que se falar, apenas que é bem diferente dos quadrinhos, onde ela usa máscara e patins.

652a927a760d4728c78323fa46fa1f9b

  • CLÍMAX

Como eu disse antes, o episódio não foi focado em Ka-Bum, as sub-tramas tiveram muito mais destaque do que a vilã em si, como o caso de Cisco com Rathaway, onde eu até ousaria dizer que Hartley teve mais peso de vilão do que Baez, e mesmo a noite fora com Caitlin pareceu mais importante. Sabendo de tudo isso, a cena final não foi afetada de modo algum. A sequência de Barry quebrando as luzes do túnel foi um tanto legal de se assistir, me lembrou de certa forma a cena de “The Dark Knight Rises” quando Bruce faz sua volta como o Batman, conseguiu me empolgar um pouco, fazendo com que eu esperasse uma emocionante briga no escuro, ou alguma surpresa do tipo, infelizmente o Flash apenas vai busca-la no carro. Eu ainda acho pouco para uma série de super-heróis! Caramba, não é difícil fazer uma cena dela se teletransportanto em ritmo frenético enquanto o Flash a persegue e os dois trocam socos e pontapés atravessando Central City, o quão legal seria isso? Talvez eles estejam guardando cenas assim para as próximas temporadas, mas se o confronto contra o Grodd for monótono dessa forma eu realmente vou ficar chateado.

  • FINAL

Queria deixar claro aqui que eu não tenho a mínima noção como a Iris conseguiu tirar uma foto de um cara que consegue tirar uma bala disparada praticamente à queima-roupa de seu pescoço antes que ela consiga penetra-lo, deixando isso de lado, que grande discurso foi aquele no final, para mim foi o melhor encerramento da série até a gora, consegui verdadeiramente me emocionar, a atuação de John Shipp está excelente.

MV5BMjM4NTEyNjQyNl5BMl5BanBnXkFtZTgwNTcxMzIzNDE@._V1__SX1303_SY548_

  • CENA PÓS-CRÉDITOS

Se esse episódio teve o melhor encerramento até agora, também teve a melhor cena pós-créditos. Se você não conhece o monumental gorila Grodd, apenas procure imagens desse esmagador de ossos para ter uma noção do que é de longe o melhor vilão do Flash e um dos melhores vilões de toda a DC Comics. Ele é prepotente, visceral, super-inteligente, narcisista, telepata e infinitamente carismático. A CW reuniu uma ótima equipe de pessoas envolvidas com quadrinhos para trabalhar na série, e acreditando que eles compartilham meu entusiasmo com o gorilão, tenho certeza de que eles vão dar vida a ele de forma primorosa, sem contar que os efeitos especiais parecem apurados.

  • EASTER EGGS
  1. “Você não é o único bom com vibrações” – Essa frase foi colocada no roteiro propositalmente. Cisco Ramon nos quadrinhos é o herói Vibro, e ele tem poderes de manipular vibrações sônicas. Referência bem clara.
  2. Linda Park – Vemos mais uma vez a linda Linda Park, que nos quadrinhos é primeiramente namorada e depois esposa de Wally West, o terceiro Flash, sucessor de Barry, e o velocista favorito do crítico que vos fala.
  3. Vibrar a porta do carro – Na bela cena de abertura, Barry vibra seus braços para abrir a porta do carro para salvar o casal. Para mim é um começo do poder que ele tem nos quadrinhos de atravessar paredes vibrando seu corpo em uma certa frequência. Na verdade foi o que eu achei que iria acontecer, mas provavelmente está muito cedo para isso.

 

 

.

 

Deixe seu comentário